Tweetdeck 0.38.2 Adobe Air no Ubuntu 12.04

Podem falar o que quiserem.
Podem criar o aplicativo via web que puderem.
Mas nada se compara ao aplicativo TweetDeck 0.38.2 desktop! Nada. Ele tem seus bugs, por ser um aplicativo que foi descontinuado, mas mesmo assim consegue ser melhor do que eu já testei.

Existem outros aplicativos, mas para controlar várias contas eu ainda prefiro-o. Isso é uma questão de opinião, é claro.

Mas antes de ensinar como instalar o danado, tenho que explicar umas coisas.

  • o Tweetdeck foi descontinuado (a empresa foi comprada pelo Twitter e inventaram uma versão online, meio chinfrim até o momento);
  • o Adobe AIR para linux foi descontinuado (só existem versões atualizadas para Windows e MAC).

Dito isto, vamos instalar o TweetDeck no Ubuntu 12.04, usando o Adobe AIR 2.6:

Baixe o Adobe AIR para linux

Clique aqui e baixe a última versão feita para a plataforma linux. Ela se chama AdobeAIRInstaller.bin. Salve na pasta Downloads.

Baixe o TweetDeck 0.38.2 para linux

Clique aqui e baixe a última versão do TweetDeck feita para a plataforma linux.

Instalando o TweetDeck no Ubuntu

Abra um terminal na pasta “Downloads” e dê os seguintes comandos:

chmod a+x AdobeAIRInstaller.bin
sudo ./AdobeAIRInstaller.bin

Terminada a instalação do Adobe AIR, clique no DASH e digite “AIR” e selecione o item Adobe AIR Application Instaler. Procure pelo arquivo do Tweetdeck.air e instale. Fim.

Se aparecer algum erro de gnome-keyring, use esta dica aqui.

Usando o TWEETDECK no Ubuntu 11.10, via WINE ou Chrome

O melhor programa de tweets do universo intergaláctico é o TWEETDECK.

Ele é tão bom que a empresa TWITTER acabou comprando o mesmo. E até então, você podia usar o TweetDeck no linux, via Adobe AIR, maaaaas… o mesmo foi descontinuado. Mas não se desespere, existem opções ainda.

Opção 1: via Chrome

Basta acessar a Web Store do navegador Chrome e instalar o plugin do Tweetdeck. Instalou e já pode ir usando, sem medo de ser feliz.

Opção 2: via WINE

Vá para o site oficial e baixe o arquivo .MSI. Assim que baixar o arquivo de 14mb de tamanho, clique com o botão da direita e dê permissões de execução. Ainda com o botão da direita, escolha abrir o arquivo pelo WINE e instale “normalmente”.

Tweetdeck
Tweetdeck

Se tudo correr bem, aparecerá esta tela aqui:

TweetDeck via WINE
TweetDeck via WINE

Assine com sua conta no TweetDeck e pode ir usando!

Tweetdeck
Tweetdeck

Qual opção eu escolho? A do plugin do Chrome por um único motivo: quando surge a janela de aviso de tweet da versão do WINE sai um pusta sinal escroto de áudio que só tomei susto! HAHAHA. Enfim, experimente.

Tuitando direto do terminal

Tuite via terminal usando o pacote TWIDGE usando estas dicas.

Uma vez instalado o TWIDGE, no setup dele você precisará digitar o número do PIN do API do Twitter, que libera o uso deste aplicativo, na sua conta. Não precisará nem digitar usuário/senha no terminal. Muito fácil.

O twidge é um cliente para sites de microblog como o Twitter e o Identica (identi.ca). Uma lista completa dos recursos do twidge, juntamente com numerosas sugestões de como usá-lo, pode ser encontrada no site do twidge em http://software.complete.org/twidge

Bem, divirta-se no terminal tuitando e enganando seu chefe. :-)

IE caindo, Linux subindo e Facebook detonando no Brasil

E como de costume, vou postar os relatórios dos últimos 12 meses usando como parâmetro o território nacional.
Vale destacar que:

  • o navegador Internet Explorer tá caindo (e bem!),
  • o Windows 7, passou o Windows XP,
  • que o Chrome tá subindo,
  • que o Facebook detona em nossas terras e,
  • que o Google domina.

Divirtam-se.

TOP browsers no Brasil – período de nov/10 a out/11

Fonte: StatCounter Global Stats – Browser Market Share

TOP Sistemas Operacionais no Brasil – período de nov/10 a out/11

Fonte: StatCounter Global Stats – Operating System Market Share

TOP Redes Sociais no Brasil – período de nov/10 a out/11

Fonte: StatCounter Global Stats – Social Media Market Share

TOP Sistemas de Buscas no Brasil – período de nov/10 a out/11

Source: StatCounter Global Stats – Search Engine Market Share

Polly, um cliente de Twitter brasileiro

PollyConheça o programa POLLY, um cliente de twitter (em pré-alpha 2) desenvolvido por Marcelo Hashimoto, que faz doutorado em computação, em São Paulo.

Marcelo conheceu o mundo open source ao entrar na graduação. Foi natural, pois a rede pró-aluno do instituto onde estuda, roda Linux. Mas apesar dessa naturalidade, só começou a utilizar sistemas operacionais livres em casa entre 2006 e 2007.

Fiz uma entrevista, via mail, com Marcelo para conhecer mais sobre o projeto:

“UD – Como surgiu a ideia de um cliente Twitter?

Na época em que comecei a trabalhar no Polly, não havia um cliente de Twitter nativo que aceitasse múltiplas contas mas fosse otimizado para mantê-las separadas. Resolvi então criar um com esse objetivo específico em mente.

UD – O que mais te motivou no começo do projeto?

Não sei se há algo específico que posso destacar, mas nessa época eu estava começando a me dar conta do valor do Twitter como fonte de informação e isso certamente influenciou.

UD – Quais as ferramentas que usou no projeto?

Eu usei, e ainda uso, o Eclipse com o plugin PyDev. O projeto está hospedado no Launchpad, que utiliza o sistema de controle de versão Bazaar.

UD – O que foi mais complicado no processo de criação?

Por enquanto, as maiores complicações foram causadas por algumas limitações na API do Twitter. Alguns detalhes que ignorei quando li a documentação pela primeira vez acabaram forçando algumas mudanças inesperadas de design.

UD – Como você formou sua equipe? E a metodologia de sugestões de colaboradores?

Como o Polly é acima de tudo um projeto pessoal, não houve um grande planejamento em relação às contribuições. Geralmente elas ocorrem de forma bastante informal, como uma discussão no Launchpad ou Twitter.

UD – Diga-nos sobre a escolha no nome “Polly”.

Eu pedi ao site OMG! Ubuntu! que convidasse seus leitores a sugerirem um nome que lembrasse ao mesmo tempo pássaros e multiplicidade. Achei “Polly” uma ótima sugestão, pois expressa ambos sem precisar ser uma palavra composta.

UD – O Polly está em versão 2.6 pre-alpha. Fale dela e de seus features. Quais as vantagens dele?

Como mencionei acima, a principal característica do Polly é manter múltiplas contas, mas separadamente.

Muitas pessoas criam múltiplas contas para separar seus seguidores e evitar enviar que um grupo receba tweets nos quais não estão nem um pouco interessados. Nenhum dos meus amigos pessoais, por exemplo, precisa saber que eu achei um bug no Oneiric. Mas o pessoal da comunidade Ubuntu que me segue pode estar interessado.

Há também as pessoas que criam contas para receber sugestões e reclamações a respeito de um site ou produto. Eu, por exemplo, criei o @PollyClient.

Em muitos desses casos, você quase nunca quer enviar o mesmo tweet para mais de uma conta. Também em muitos desses casos, fundir os fluxos mais atrapalha do que ajuda. Nessas situações o Polly pode ser bastante conveniente.

O cliente atualmente está na versão 0.92.6, que eu apelidei de “pre-alpha 2.6”. Até agora passei por dois marcos de desenvolvimento: a estabilização do framework básico e a implementação básica de tweets, mensagens, usuários e listas.

Eu acho que seria falta de educação eu alugar o espaço do seu blog só para ficar listando features, então vou apenas indicar o link para o anúncio de uma das versões recentes, onde uma lista completa é dada:

https://launchpad.net/polly/+announcement/8938

UD – O que nos aguarda para as próximas versões?

A principal prioridade do pre-alpha 3 é o suporte a tempo real e a principal prioridade do pre-alpha 4 é o port para a versão 3 do GTK+. Ainda não sei exatamente como organizarei as prioridades nos pre-alphas seguintes, mas elas serão:

  • busca (o framework já está implementado, mas atualmente só é acessível clicando-se em um hashtag);
  • filtros;
  • editar detalhes da conta e avatar;
  • enviar imagem para o próprio Twitter (por enquanto só há suporte a img.ly, twitpic e twitvid);
  • melhorias gerais de usabilidade;

Quando praticamente toda a API do Twitter estiver disponível no Polly, a fase alpha vai começar. Nessa fase ele finalmente estará aberto para traduções. Na fase beta virá a estabilização final e a documentação. Pretendo lançar a versão 1.0 como um cliente apenas de Twitter e logo em seguida começar a trabalhar na versão 1.5 que trará suporte a StatusNet.”

Instalando o Polly

Basta entrar no site do Polly, no Launchpad e baixar o arquivo .DEB correspondente ao seu sistema. Mas também pode-se adicioná-lo via PPA:

ppa:conscioususer/polly-unstable

Curtiu o programa e quer dar sugestões? Comente aqui mesmo que o desenvolvedor estará acompanhando.