Samsung adere ao software livre

Samsung adere ao software livre em suas TVs

Vai ser lançada este ano a primeira TV inteligente com software Tizen da Samsung.

Samsung adere ao software livre

A Samsung irá utilizar o sistema Tizen– que é de código aberto – em suas TVs a partir deste ano.

Para além da redução de custos, a gigante sul-coreana pretende deixar de estar totalmente dependente do sistema operativo Android da Google. Em declarações sobre este projeto, o vice-presidente-executivo da Samsung, Lee Won-Jin afirma que “a construção da plataforma inteligente com base no Tizen representa um passo em direção a um sistema integrado mais inovador e inteligente”.

A Samsung está a colaborar diretamente com a multinacional norte-americana Intel no desenvolvimento da plataforma Tizen. O objectivo é que esta plataforma possa ser posteriormente incluída em muitos outros aparelhos, como por exemplo telemóveis, electrodomésticos e máquinas fotográficas. A primeira desta nova gama de televisões inteligentes será apresentada pela Samsung no decorrer da próxima semana na Feira Internacional de Electrônica de Consumo, em Las Vegas.

As principais características destas novas televisões inteligentes, e que as podem diferenciar no mercado, estão ligadas a três grupos centrais: O fácil acesso através de uma interface redesenhada, em que o conteúdo apresentado será definido pelo próprio utilizador. A tecnologia Wi-Fi Direct e a conectividade por Bluetooth vão permitir a conexão automática de vários dispositivos e a troca de informação entre eles, permitindo até passar para um smartphone o que estiver a ser transmitido num qualquer canal.

O entretenimento também não foi esquecido e será de facto uma mais-valia. Nestas novas televisões será possível ter acesso ao PlayStation Now, o serviço de streaming de jogos da Sony. Basta utilizar um controle dual-shock para divertir-se, sem ter de adquirir nenhuma consola própria para o efeito.

Um vasto leque de opções vai permitir que estas televisões tenham uma maior flexibilidade de utilização. A compatibilidade do Tizen com outros gadgets irá permitir o controle de qualquer “casa inteligente” através destes novos televisores. Desta forma a Samsung pretende revolucionar o entretenimento através das suas televisões.

Fonte: http://pt.blastingnews.com

A Samsung irá agradar mais aos clientes usando open source, não acha?

Open Source na Globo.com

Open Source na Globo.com

Sempre tive a curiosidade em saber um pouco, pelo menos, do uso do código aberto numa empresa de ponta e tive a oportunidade de entrevistar Rodrigo Senra, desenvolvedor da Globo.com.

Espero que curtam esta pequena entrevista feita por e-mail.

Rodrigo Senra da Globo.com

– Quem é o Rodrigo Senra e qual é o seu papel dentro da Globo.com?

Sou projetista e desenvolvedor de software no cargo de Especialista,  atuante no time de semântica dentro da área de plataformas na Globo.com. No mundo open-source sou mais conhecido pela minha atuação na construção da comunidade open-source relacionada a linguagem de programação Python e tecnologias correlatas. Neste contexto, fiz a primeira tradução do tutorial do tutorial oficial de Python do Inglês para o Português em 2001, organizei a primeira conferência nacional de Python em Campinas 2005, fui membro fundador da Associação Python Brasil em 2007, e fui o primeiro ganhador do prêmio Dornelles Tremea (juntamente com Luciano Ramalho) por contribuições à comunidade Python brasileira em 2011.

No meu site pessoal http://rodrigo.senra.nom.br há mais detalhes, inclusive referências para literalmente mais de uma centena de palestras no Brasil e exterior.

– Como foi a decisão de usar open source como solução em TI na Globo?

Foi fácil. A Globo.com já era uma softhouse aderente ao open-source antes da minha chegada em agosto de 2012, eu simplesmente dei continuidade a essa cultura. Eu diria que no Brasil, a Globo.com é uma importante fonte de projetos open-source, isso pode ser verificado através do Github, pelo link: https://github.com/globocom?query=+only%3Apublic+

– Qual é o processo de escolha, testes e implantação de uma solução open source?

Do ponto de vista de escolha, o processo é o mesmo se a solução for de código fechado. Queremos um código legível, que resolva efetivamente e eficientemente um determinado problema, e que seja bem documentado e que possua suporte se necessário. A diferença é que a maioria das soluções open-source apresenta uma qualidade melhor no código-fonte, uma  maior cobertura de testes, e uma comunidade mais acessível.

Do ponto de vista de implantação, algumas vezes há um custo adicional em liberar um projeto como open-source. Por exemplo, no caso do Brainiak (https://github.com/globocom/brainiak_api e https://twitter.com/brainiak_api) que liberamos recentemente como open-source, foi necessário fragmentar o projeto em dois para isolar informação interna que não pode ser publicada externamente, como senhas para deploy interno ou acesso a bases de dados corporativas.

– Onde existe open source dentro da empresa?

O open-source está em toda parte: nos produtos que tem a cara na Internet (e.g G1, Globoesporte, Techtudo, etc), na plataforma de middleware e backend, no ferramental de deploy da infra-estrutura e até nos sistemas operacionais que executam em nossos servidores (algumas distros de linux foram modificadas para atender a necessidades específicas).

– E seu uso tem alguma discriminação entre os usuários internos?

Não que eu saiba. A Globo.com é um berçário de hackers (não confundir com crackers) onde grandes nomes nascem, crescem e depois se espalham pelo mundo. Neste ambiente, o open-source é visto com muito bons olhos e está no DNA da empresa. Nós seguimos o exemplo de outras grandes empresas que abrem parcialmente sua base de código, como o Facebook e o Netflix. Mas isso não quer dizer, que só código aberto é usado aqui. Por exemplo, eu estou respondendo este e-mail em um Mac Book executando OS X (fechado), e uso o excelente IDE PyCharm (fechado) quando desenvolvo em Python. Outros desenvolvedores usam diferentes combinações incluindo vi e Linux (abertos). Ou seja, existe uma diversidade sadia e preferências individuais são respeitadas.

– Como é formada a equipe e quantas pessoas trabalham com open source?

Eu não tenho números exatos, e tampouco se tivesse não sei se poderia divulgar essa informação com exatidão. O que posso dizer é que certamente há mais de uma centena de desenvolvedores e devops, e praticamente todos tangenciam o open-source em algum momento. Sendo que alguns, se quiserem, podem respirar 100% open-source.

– O sistema operacional que usam é proprietário? Qual?

Nos notebooks de desenvolvimento é possível usar Linux ou Mac OS X. Eu uso Mac, mas tenho VMs com outros sistemas operacionais. Nos servidores, há grande maioria são Linux, com diferentes distros, algumas customizadas. A informação exata de quantos servidores e que versões estão em execução prefiro não revelar, por respeitar uma política de segurança. Mas se procurarem por palestras de integrantes da Globo.com no Brasil e no exterior vão acabar encontrando algumas referências ;o)

– Como você mede a satisfação em usar um código que pode alterar a vontade?

Na minha humilde opinião, para o desenvolvedor de alto nível,  o open-source é sempre uma alternativa mais atraente. É possível aprender com o código-fonte, modificar a matéria-prima para que os objetivos sejam atingidos e os bugs não tem como se esconder.

Agradeço a entrevista ao Rodrigo que nos mostra um pouco do uso do código aberto nas organizações Globo.

SEO Panel – um programa livre e de otimização de sites

Eu trabalho como Planner de Marketing Digital numa agência e na busca pela ferramenta perfeita – se é que ela existe – encontrei uma que une a minha necessidade com o open source (software livre).

SEO Panel é um programa open source que faz um ótimo serviço. Dentre suas features:

  • relatórios de palavra-chave
  • relatórios de posição
  • relatórios gráficos
  • verificação rápida da posição
  • busca rápida da posição da palavra-chave
  • importação de palavras-chave
  • Verificação rápida do Backlinks
  • Ferramenta semi-automática da submissão do Diretório
  • Pesquisa Rápida Saturação do Motor de Busca
  • pesquisas usando o Google, Bing e Yahoo!
  • e muito mais.

Você precisa apenas baixar o SEO Panel,  instalar no seu localhost e sair usando. Dúvidas? Veja abaixo os tutoriais:

O nível de instalação é intermediário/avançado. E tem mais 10 plugins muito bacanas, mas é aí onde o nosso desenvolvedor paga o leite das crianças. Se você doar 10 doletas, ele libera as pesquisas no Google.com.BR.

Eu curti muito. E você?

ps.: reparem qual sistema ele usa nos vídeos.
ps2.: eu instalei no Windows XP, pois o processo é o mesmo.

Microsoft cria uma empresa para lidar com código aberto

A Microsoft anunciou a criação de uma nova subsidiária pertencente à empresa, chamada Microsoft Open Technology. Jean Paoli, que é atualmente o General Manager of Interoperability Strategy na Microsoft e é um dos co-criadores do padrão XML, liderará essa nova subsidiária. O novo grupo deve possuir entre cinquenta e setenta e cinco funcionários da equipe atual de Paoli. A meta dessa nova entidade é fornecer uma “nova forma de interagir e se engajar de uma forma mais clara” com entidades de código aberto com que a Microsoft já está envolvida.

Paoli destacou que a criação da nova empresa não vai mudar a forma com a própria Microsoft interage com essas entidades, como a Apache Software Foundation, a Outercurve Foundation (que a Microsoft criou originalmente como a CodePlex Foundation) e grupos de padrões abertas. “Essa estrutura deve tornar mais simples e mais rápido interagir e lançar software em código aberto, participar em esforços de código aberto, e aceitam contribuições da comunidade”, Paoli afirmou. Ele também prometeu que essas mudanças devem levar a uma maior interação entre a Microsoft e comunidades de código aberto.

Fonte: h-online, em inglês e do site da Linux Magazine