Bug número 1 do Ubuntu foi corrigido

Ubuntu’s Bug #1 Is Fixed

Em recente entrevista, Mark Shuttleworth, fundador da Canonical respondeu sobre o “bug número 1 do Ubuntu“, ou seja, a Microsoft ter a maior fatia de mercado do mundo. Leiam a resposta de Mark:

Pergunta: referente ao “bug sobre o market share da Microsoft” assinado em https://bugs.launchpad.net/ubuntu/+bug/1, com o número de outros dispositivos no mercado (…),este seria um bug crítico?

Resposta do Mark:
Pergunta interessante. Eu acho que o mundo é um lugar muito mais equilibrado agora com o iOS e Android então, talvez nós podemos considerar que este bug foi corrigido.

 

A Canonical usa o kernel Linux e não geleia de mocotó

Ontem apareceu na net um debate – desnecessário ao meu ver – sobre a Canonical não usar a nomenclatura LINUX em seus documentos oficiais e que ela estaria criando um kernel Ubuntu.

O amigo Aprígio Simões acaba de postar um artigo esclarecedor e importante sobre o assunto. Todos devem ler.

Replico aqui as informações mais relevantes:

  • O que define se um sistema operacional é Linux ou não é o seu núcleo
  • A Canonical ainda é uma das mais fieis ao kernel Linux, tanto que o proprio kernel upstream ja oferece total suporte e compatibilidade para trabalhar com processos que fazem chamadas a vários tipos de metodologias de inicialização do sistema que o proprio Ubuntu ja possui.
  • Até a Red Hat esta usando o upstart, mantido pela Canonical.
  • A Canonical, como qualquer empresa, está oferecendo módulos adicionados no kernel por causa de suas distribuições de CLOUD e até mesmo suporte.
  • O Debian possui uma imagem mantida pela comunidade, mas totalmente fiel ao encontrado no kernel.org, assim como o Fedora. O Ubuntu possui o mesmo kernel, mas agora com algumas modificações para o maior e melhor suporte da empresa aos usuários com a diferença de que a Canonical não cobra isso dos usuários, como a Red Hat e a Novell fazem pelo seu TRADEMARK.
  • O kernel Linux é o mesmo, e o mesmo não acontece com o FreeBSD, OpenBSD e netBSD, que possuem outro kernel e não tem nada a ver com Linux, nada a ver mesmo!
  • o Android, possui um kernel totalmente modificado para atender a arquitetura arm, porém ainda Linux.
  • Linux é o poder.

Comente!

 

Dell responde

A alguns dias atrás, eu “tuitei” a questão da Dell do Brasil não enviar suas máquinas para avaliações (reviews técnicos) usando o Ubuntu. Esta prática é comum entre os blogs de tecnologia, pois tanto o público-alvo como a empresa ganham com reviews de qualidade.

E hoje eu recebo este mail:

Caros parceiros do Ubuntu Dicas,

Conforme tweet postado no dia 5 de março, gostaríamos de esclarecer que a Dell comercializa os seguintes notebooks com Ubuntu: Inspiron 14, Vostro 3450 e Vostro 3550. Porém, infelizmente, no momento não temos essas máquinas disponíveis para enviar para teste.

Os computares Dell com Ubuntu podem ser conferidos no link http://www.dell.com/br/empresa/p/linux-deals. Para verificar a disponibilidade de outros modelos com Ubuntu, o número é 0800 970 2017.

Entraremos em contato assim que tivermos modelos para disponibilizar.

Qualquer dúvida, estamos à disposição.

Eu sempre recomendo a DELL aos meus amigos, mas eu sempre desejei testar uma delas fazendo um “unboxing“.

O fato, explicitado no mail acima, é que não existem modelos com Ubuntu liberados para review técnico. Os reais motivos podem ser de mercado, técnicos, de metodologia ou tudo isso junto. Enfim, a DELL segue um modelo de negócio que não permite, pelo menos no momento, este tipo de análise voltado aos usuários de linux.

Ouvi uma vez, que a Dell vende seus pc’s com Ubuntu com uma versão mais antiga, algo como hoje vender com a versão 11.04. Talvez eles não queiram liberar um review de seu produto usando uma versão não atualizada. E, sei também, que a imposição de versões vêm de ordens da matriz da Dell e portanto, não é uma questão de gosto do mercado local.

Fiquemos no aguardo deste cenário mudar um dia. Toca a vida…

Kazam Screencaster: grave seu desktop no Ubuntu 11.10 e 12.04

O programa Kazam Screencaster é um daqueles aplicativos que você um dia vai precisar. Com ele você grava seu desktop. Veja o poder dele abaixo:

Kazam Features

Kazam Screencaster Linux
Kazam Screencaster Linux
  • Grava em dois canais. Você pode configurar o níveis de volume deles,
  • Grave nos formatos VP8 ou H264,
  • Timer de contagem regressiva,
  • Ajuste de framerate,
  • Mouse Capture,
  • Grava uma região específica da tela,
  • Use o Gstreamer como backend (não o ffmpeg),
  • Suporte no Unity, Gnome Shell e Classic Gnome.

Para  instalar, rode os comandos (apenas pro 11.10 e 12.04):

sudo add-apt-repository ppa:kazam-team/stable-series
sudo apt-get update
sudo apt-get install kazam

Curtiu?Agora compartilhe!