A Canonical usa o kernel Linux e não geleia de mocotó

Ontem apareceu na net um debate – desnecessário ao meu ver – sobre a Canonical não usar a nomenclatura LINUX em seus documentos oficiais e que ela estaria criando um kernel Ubuntu.

O amigo Aprígio Simões acaba de postar um artigo esclarecedor e importante sobre o assunto. Todos devem ler.

Replico aqui as informações mais relevantes:

  • O que define se um sistema operacional é Linux ou não é o seu núcleo
  • A Canonical ainda é uma das mais fieis ao kernel Linux, tanto que o proprio kernel upstream ja oferece total suporte e compatibilidade para trabalhar com processos que fazem chamadas a vários tipos de metodologias de inicialização do sistema que o proprio Ubuntu ja possui.
  • Até a Red Hat esta usando o upstart, mantido pela Canonical.
  • A Canonical, como qualquer empresa, está oferecendo módulos adicionados no kernel por causa de suas distribuições de CLOUD e até mesmo suporte.
  • O Debian possui uma imagem mantida pela comunidade, mas totalmente fiel ao encontrado no kernel.org, assim como o Fedora. O Ubuntu possui o mesmo kernel, mas agora com algumas modificações para o maior e melhor suporte da empresa aos usuários com a diferença de que a Canonical não cobra isso dos usuários, como a Red Hat e a Novell fazem pelo seu TRADEMARK.
  • O kernel Linux é o mesmo, e o mesmo não acontece com o FreeBSD, OpenBSD e netBSD, que possuem outro kernel e não tem nada a ver com Linux, nada a ver mesmo!
  • o Android, possui um kernel totalmente modificado para atender a arquitetura arm, porém ainda Linux.
  • Linux é o poder.
Assunto indicado:  Como instalar facilmente o Sublime Text 2 no Ubuntu

Comente!