Reinstalação sem pânico

por Danilo Magrini

* Esse artigo se destina a usuários GNU/Linux de nível intermediário com conhecimentos em estrutura de diretórios, particionamento manual e instalação do sistema operacional. Venho utilizando os procedimentos abaixo a tempos e garanto o funcionamento caso os passos sejam minuciosamente seguidos. Não me responsabilizo por perda de dados devido ao uso incorreto dos procedimentos abaixo, portanto execute-os por sua conta e risco.

Todos sabemos que atualizar a versão do Ubuntu é uma tarefa bem tranquila, basta uma linha de comando ou um clique em um botão para que uma nova versão seja baixada e instalada no seu computador. Porém existem casos onde queremos fazer uma nova instalação ao invés de uma atualização, nesse caso pode ser uma nova instalação da mesma versão(talvez para limpar resíduos de testes), pode ser uma troca de distribuição, pode ser até uma substituição de hardware ou qualquer outro motivo. Mas na maioria das vezes nos sentimos com preguiça inseguros de formatar e acabar perdendo algum arquivo importante, alguma configuração personalizada que deu tanto trabalho ou até mesmo um programa, que não lembramos no momento do backup, mas que iremos precisar dele no primeiro boot!

O objetivo desse artigo é dar dicas de como realizar uma instalação inteligente mantendo todas as configurações e dados que desejarmos, no entanto o artigo irá assumir que você possui uma estrutura de diretórios dividida em partições como a listado abaixo.

Figura 1.

O importante na imagem acima é apenas a estrutura montada. Não importa qual o número da partição, não importa o tipo da partição, não importa o tamanho pois tudo isso será conforme a preferência de cada um. O que importa é ter seu diretório /home em uma partição diferente da partição da raíz ( / ).

Assunto indicado:  Quer chegar a 20gb no Ubuntu One?

Eu, particularmente, tenho uma partição separada também para o /opt que segundo o FHS (File Hierachy System) é o diretório onde devem ficar instalados os programas de terceiros ou instalados manualmente, no meu caso netbeans, adobe air, tweetdeck, astah, entre outros. Mas isso é opcional, principalmente se você utiliza somente programas do repositório oficial.

Lembrando que não ensinarei como realizar o particionamento acima para que o artigo não fique muito extenso, porém é fácil encontrarmos como fazer isso em diversos links na internet como por exemplo aqui.

Mãos à obra

Tendo seu sistema operacional Ubuntu (ou similar) seguindo a estrutura de diretórios acima, podemos iniciar o procedimento de reinstalação, formatando mas mantendo os dados e programas anteriores. Não esqueça de copiar todos os arquivos que deseja manter entre as instalações para dentro de qualquer diretório da hierarquia /home/seu_usuario.

Vamos iniciar fazendo uma cópia de todos os pacotes atualmente instalados para que possamos reinstalá-los após a formatação. Isso é importante para o caso de termos outros softwares instalados além dos que são instalados por padrão. Para fazer isso siga o procedimento abaixo:

  1. Abra o Gerenciador de Programas Synaptic

  2. Selecione a opção Salvar marcações como… que pode ser encontrada no menu Arquivo.

  3. Digite meus_pacotes como nome do arquivo, selecione um diretório que pertença a estrutura /home/seu_usuario, sugiro a mesma e marque a opção salvar todo o estado, não apenas as alterações.

  4. Clique em Salvar

Figura 2.

Assunto indicado:  Mobile Media Converter - conversão de mídias

O arquivo meus_pacotes com todas as informações de pacotes do seu sistema será criado no diretório informado. Não esqueça o nome correto e caminho do arquivo em questão pois iremos precisar dele posteriormente.

O segundo passo é memorizar ou anotar o nome do(s) usuário(s) atual(is) e a configuração correta de seu particionamento e pontos de montagem respectivamente. Seguindo o exemplo da Figura 1. teriamos:

Tabela 1.

/dev/sda5                     /

/dev/sda6                    /home

/dev/sda7                    swap

Nesse momento já podemos reiniciar e começar uma nova instalação.

Instalando o GNU/Linux

Siga todos os procedimentos de instalação que está acostumado até o momento do particionamento. Selecione a opção particionamento manual, utilize o mesmo dispositivo que já utiliza para o GNU/Linux e certifique-se de que o esquema de partições é a mesma da Figura 1. e que os mapeamentos de diretórios estejam conforme a Tabela 1. (não esqueça de considerar os nomes das partições do seu computador).

Duas considerações importantes:

  1. NÃO SELECIONE a opção Formatar para a partição /home. Se a opção estiver selecionada, edite novamente as configurações e desmarque pois não queremos, logicamente, formatar a partição onde estão os arquivos que queremos manter. Para as outras partições devemos deixar selecionada a opção Formatar. Caso você tenha criado uma partição para o /opt ou similar e queira manter, basta desmarcar a opção Formatar.

  2. NÃO ALTERE o tipo de sistema de arquivos. No nosso exemplo devemos manter o ext4.

Uma vez que as configurações descritas estiverem concluídas basta continuar a instalação e criar o mesmo nome de usuário utilizado na instalação anterior.

Assunto indicado:  Canonical quer saber se você esta vivo

Terminada a instalação, continue seguindo os procedimentos padrão de inicialização do sistema operacional e digite o nome do usuário e senha para acessar o sistema. Nesse momento você irá perceber que o mesmo papel de parede, tema, cores, proteção de tela, ícones e menus da instalação anterior estarão na tela. Agora é só restaurar os pacotes anteriormente gravados. Para isso siga os procedimentos abaixo:

  1. Abra o Gerenciador de Programas Synaptic

  2. Selecione a opção Ler marcações… que pode ser encontrada no menu Arquivo.

  3. Selecione o arquivo salvo anteriormente na Figura 2.

  4. Clique Abrir e depois em Aplicar

Pronto. Você agora está com uma instalação novinha porém com todas as configurações e aplicativos que tinha anteriormente. E se você possui mais de uma distribuição instalada, você pode utilizar o mesmo /home para todas elas, mesmo sendo distribuições diferentes usando diferentes interfaces gráficas. Eu aqui tenho o Ubuntu (gnome) e o Linux-Mint (kde) compartilhando o mesmo home !

Conclusão

Com o tempo você irá se adaptar melhor a essa estrutura de diretórios e acabará gravando em /home/seu_usuario todos os arquivos que julgar importante ou que quiser manter nas próximas instalações. Alguns exemplos de arquivos que eu mantenho dentro do meu diretório home são: arquivos de áudio/vídeo, documentos, cód
igos de programação, conjunto de ícones, papéis de parede, temas, fontes, entre outros.